quarta-feira, 8 de novembro de 2017

TOV 1963: TORCIDA DO VASCO VAI FAZER ACAMPAMENTO EM CAMPO GRANDE

Dulce Rosalina, Chefe da Torcida do Vasco e que também tem o título e a faixa de Torcedora Brasileira número um, está decidida a prestigiar e dar todo o incentivo a equipe no Campeonato de 1963 em demostração de força com o comparecimento em massa dos torcedores a Campo Grande, onde o Vasco jogará domingo, pela segunda rodada do certame carioca.

COMANDO GERAL
Dulce vem tomando todas as providências para que não falte o incentivo aos jogadores do Vasco, movimentando todos os membros efetivos do Comando Geral da Torcida, cujas tarefas variam da preparação de farnéis a limpeza dos instrumentos da bateria e trabalho de convocação de amigos e torcedores que queiram participar da caravana.
Timbuca, o bom criolo que assessora Dulce no trabalho de preparação das bandeiras e faixas, e que tentou registrar o filho com o nome de Clube de Regatas Vasco da Gama, desde ontem está acampado na residência de Dulce, lavando bandeiras e faixas e fazendo a convocação dos que não são possível chamar por telefone.
Vinte pessoas, incluindo a própria Dulce, formam o Comando Geral da Torcida do Vasco, que tem em Ramalho um espécie de Vice Presidente, mas que trabalha e torce tanto quanto os outros. A própria Dulce relacionou os nomes: Timbuca, Laerte, Raimundo Gadelha, Fernando Xavier, Tião, Conceição, Italiano, Norma, Fernando, Ramalho, Vanda, Monteiro Português, D. Ermelinda, Srta Ainda, Madame Bastos, D. Idalina, Buzina, D. Santa e Inês.

TUDO BEM COM A DIRETORIA
Dizendo-se francamente entusiasmada com a administração que o Vice Presidente Jaime Soares Alves vem dando ao futebol do seu clube, Dulce Rosalina resolveu dar o apoio ao time e também ao técnico Jorge Vieira, desde que recebeu apelo da própria Diretoria do Clube, através do Presidente José Silva Rocha e do Vice Presidente José Eduardo Esteves Fraga, que a receberam em seus gabinetes e fizeram uma exposição do trabalho desevolvido no sentido de permitir que o Vasco de a alegria desejada pelo quadro social, torcedores e todos os Vascaínos: o título de Campeão Carioca de 1963.
- Depois do que me foi colocado pelo Presidente e pelo Vice Presidente – revela Dulce – não posso, nem meus companheiros de arquibancada, deixar de dar todo apoio e incentivo a nossa equipe e ao técnico. Em Campo Grande, antes do jogo, no local do acampamento, farei uma exposição a Torcida, baseada no que me foi dito pelos dirigentes. Estou certa de que não haverá nenhuma voz contra a atual Diretoria, com a qual estamos identificadas pelo mesmo ideal: levar o Vasco a vitória.

SOLIDÁRIA COM JORGE VIEIRA
Dulce Rosalina não esquece de fazer sempre o elogio ao Vice Jaime Alves, a quem considera um homem extremamente habilidoso e perfeito diplomata, pois conseguiu, inclusive acabar com a antipatia de Dulce por Jorge Vieira.
- Em Campo Grande pretendo falar com o técnico e hipotecar-lhe a minha solidariedade, em nome da Torcida do Vasco. Estou convencida de que agirei acertadamente, isto é visando tão somente o bem do Vasco.

CAIXINHA DOS JOGADORES
Empolgada coma aproximação e identidade de propósitos da Torcida com os dirigentes, numa hora em que todos estão otimistas e que a equipe parece haver adquirido o entendimento e a personalidade de forte candidata ao título. Dulce está disposta a trabalhar em favor da “caixinha” dos jogadores, organizando shows com a participação de artistas Vascaínos, para o que já manteve entendimentos com Humberto, Presidente da “caixinha” e com alguns artistas que se comprometeram a colaborar.
- A “caixinha” – explicou Dulce – incentiva o jogador que, como todo mundo, deseja ganhar sempre mais e quer receber bons prêmios pelas vitórias e títulos. E ainda ajuda o Clube a conquistar sempre maior número de adeptos e faz reviver o entusiasmo nos torcedores mais desiludidos.

TIME ESTÁ BEM
Na opinião de Dulce, o time do Vasco poderá perfeitamente chegar ao final do Campeonato em primeiro lugar, bastando que haja união dos Vascaínos, apoio da Torcida e ambiente tranqüilo para o técnico e os jogadores.
- O time está bom e agora, com os reservas que o técnico pedia, tem amplas condições de lutar, realmente, pelo título.
Timbuca, atento as palavras de sua chefe, fez o aperte:
- Se o Da Silva estivesse bom, não haveria falhas e o título estava no papo.

CASA VASCAÍNA
A casa de Dulce é, decididamente, uma casa Vascaína, os quadros nas paredes, as flâmulas, as xícaras e até pratos tem o escudo do Vasco. Orgulhosamente ela serve o cafezinho em xícaras com o escudo do Vasco, ou o refrigerante ou a cerveja gelada em copos que, segundo ela, também são Vascaínos, como o são seu filho Norival Ponce de Leon Filho, de 13 anos e a filha Maria de Loudes, esta torcedora e fã de Sabará.
Fonte: Jornal dos Sports 05 de Julho de 1963

TOV Jornal dos Sports 1963

TOV Jornal dos Sports 1963



Nenhum comentário:

Postar um comentário